DROP BOX para chamar de seu

Traçado por Manel Duró e Marta Gordillo, nomes por trás do estúdio espanhol In-Tenta Design, abrigo modular se projeta como solução ligeira de moradia sem impacto na natureza

Ainda que a vida em movimento seja em grande parte associada aos trailers e motor homes que cruzam terra e asfalto de mundos e fundos, é possível que habitações, sejam elas temporárias ou para car, deem a volta ao globo em alguns dias para, mesmo o tempo todo em terra firme, chegar a qualquer pedaço de grama onde toca o sol. O conceito de “modular” que o espanhol In-Tenta percorre com seus projetos de microarquitetura ultrapassa, ainda, a fronteira da mobilidade facilitada para alcançar, sem esforço algum, os tão vislumbrados contato e conexão com a Mãe Natureza e suas refrescantes sombras sob copas de frondosas árvores, que respiram e devolvem para a atmosfera os mais puros dos ares.
Fora isso, existe uma onda de retomada da inserção dos elementos naturais na decoração que, além de buscar transpor a pureza dos materiais em peças e revestimentos na hora de decorar uma casa, procura dissolver as barreiras de dentro pra fora, de fora pra dentro, e fisgar a natureza mais para perto. É uma reconexão com o verde que parece querer resgatar a tranquilidade bucólica em meio ao caos urbano de agito e poluição e, de certa forma, até fazer um mea-culpa pela prevalente descompaixão humana com árvores e leitos d’água. Em busca de uma versão intensificada dessa imersão, o êxodo urbano, ainda que temporário e turístico, é uma alternativa bastante visada – por isso hotéis, campings e resorts são alvos em potencial. Foi também com o intuito de oferecer o melhor dessa experiência que surgiu a suíte modular Drop Box, parte de uma série maior de abrigos que fluem por essa ideia embalada por um adaptado “Here, There and Everywhere”, dos Beatles.
A intenção do designer Manel Duró e da arquiteta Marta Gordillo de desenhar uma cabine de fácil montagem era de que os usuários pudessem tomar um café no meio da floresta ou relaxar no topo de um morro sem que o sítio local fosse demasiadamente agredido. Por isso, toda a estrutura do projeto também segue essa linha de “quem ama, cuida”: as acomodações – com banheiros completos com terraço e chuveiro panorâmico e quartos em tamanhos que comportam dois adultos ou uma família de quatro pessoas – são envoltas por grandes janelas e se sustentam sobre uma estrutura primária de madeira revestida por painéis mistos do mesmo material junto com cimento, um composto de baixa manutenção. Na boca do forno para sair do papel, a dupla está de olhos bem abertos em potenciais clientes ávidos por desbravar solos com a oferta de um modelo diferente de hospedagem.